• Priscila Ramalho

Transtorno de Ansiedade, você conhece?

O que é a ansiedade e os sintomas comuns

A ansiedade é um estado fisiológico, selecionado naturalmente na espécie humana, cuja função é de, basicamente, preparar o organismo para enfrentar um perigo.Todas as pessoas podem sentir ansiedade, principalmente com a vida atribulada atual. A ansiedade acaba tornando-se constante na vida de muitas pessoas. Dependendo do grau ou da frequência, pode se tornar patológica e acarretar muitos problemas posteriores, como o transtorno da ansiedade. Portanto, a ansiedade nem sempre é patológica. Porém, quando é patológica, ela ocorre quando o estado fisiológico está desproporcional à situação enfrentada, ou quando ocorre na ausência de qualquer perigo real. Uma vez que a percepção de perigo depende fundamentalmente do processamento cognitivo do indivíduo, podemos dizer que mesmo uma situação de perigo imaginário (fantasias) é capaz de desencadear respostas de ansiedade em uma pessoa.Os pacientes com Transtorno de Ansiedade Generalizada normalmente preocupam-se desproporcionalmente com o futuro e cometem vários erros do pensamento, como a catastrofização, por exemplo, por terem dificuldade de raciocinar com base na realidade. Suas interpretações dos eventos tomam grandes proporções, exagerando os efeitos, enfatizando os aspectos negativos e ignorando os positivos. Por essa razão, são pessoas que têm dificuldades para tomar decisões, para solucionar problemas, para mudanças, etc. Ansiedade, angústia, medo, insegurança, timidez são todos parentes próximos, diríamos que frutos de uma mesma árvore. Ela se traduz por uma pressa, uma ânsia para o movimento, uma inquietação interior, uma aflição do corpo, para que aquilo que estiver acontecendo acabe logo.Também pode aparecer como um desejo exagerado para que algo aconteça, como se esse algo fosse muito bom, gostoso e agradável.Em todas elas a ansiedade possui uma manifestação física importante, e os seguintes sintomas estão normalmente presentes:

  • Taquicardia

  • Dor no peito

  • Respiração difícil, curta ou faltando

  • Tremor nas mãos ou em outras partes do corpo

  • Sudorese excessiva

  • Desconforto abdominal

  • Inquietação dos membros

  • Dor de barriga

  • Sensação de medo ou perda de controle

  • Desconforto na garganta

  • Insônia

  • Cefaleia

  • Tontura

  • Tensão muscular

  • Roer unha

Em questões de sintomas psicológicos podemos encontrar nervosismo, dificuldade de concentração, preocupação, medo constante, insegurança exagerada, autoconsciência, lembranças ruins, entre outras características menos comum.De acordo com a APA, o primeiro critério diagnóstico do transtorno de ansiedade generalizada é:Ansiedade e preocupação (expectativa apreensiva) excessivas, que estão presentes por mais dias que ausentes, durante pelo menos seis meses, incidindo sobre uma série de acontecimentos ou atividades (como o desempenho no trabalho ou nos estudos). (APA, 1994, p.435, apud Caballo, 2003, p. 212).Neste caso, é importante salientar, conforme bem destaca Caballo (2003, p. 212), que a preocupação tem que ser "de difícil controle e deve produzir uma deterioração ou mal-estar significativos em áreas da vida.Em alguns casos, a ansiedade é capaz de intensificar o que o indivíduo está sentindo, deixando de apresentar sintomas únicos e passando a aumentar aqueles naturalmente produzidos pelo sistema nervoso. Ou seja: se a pessoa sente medo, ela sentirá muito medo; se a pessoa se sente triste, ela se sentirá muito triste; as vezes sentimentos comuns como gostar de algo ou alguém podem ter um grande impacto sobre portadores de ansiedade, e querer algo pode tornar-se uma necessidade com o passar do tempo.A Ansiedade em níveis muito altos, ou quando apresentada com a timidez ou depressão, impede que a pessoa desenvolva seu potencial intelectual. O aprendizado é bloqueado e isso interfere não só no aprendizado da educação tradicional, mas na inteligência social. O indivíduo fica sem saber como se portar em ocasiões sociais ou no trabalho, o que pode levar a estagnação na carreira, por exemplo.


Ansiedade nas crianças

Devemos ficar de olho nos baixinhos pois eles também estão propensos a sofrerem com a ansiedade.Com toda certeza, um dos períodos mais complexos na vida de uma pessoa é a infância. É a época em que estamos descobrindo coisas novas.Conversas constantes sobre o cotidiano da criança nunca será demais, pois um transtorno de ansiedade logo na infância pode desencadear sérios problemas psicológicos na fase adulta.Alguns sintomas mais comuns de que algo está errado com os baixinhos são: timidez extrema, medo extremo de uma determinada coisa, voltar a urinar na cama ou até mesmo chupar o dedo.


Tratamentos

Os principais tratamentos envolve psicoterapia e em alguns casos medicamentos como ansiolíticos, antidepressivos e antipsicóticos.Para casos mais leves, algumas intervenções naturais como alguns alimentos específicos, chá de camomila e florais podem ser úteis. Além disso um banho morno, interação social e apoio moral podem ter algum tipo de contribuição em alguns momentos.Existem também algumas técnicas que são muito utilizadas em pacientes com ansiedade em diferentes níveis, segue algumas dicas.


Identificando fatores importantes de sua ansiedadePegue uma folha e responda às seguintes questões:

  1. Com o que você mais se preocupa?

  2. Isso é algo constante na sua mente?

  3. Há algo que você teme que aconteça?

  4. Há algo específico que o faz se sentir triste ou deprimido?

  5. Em que período do dia você sente mais medo?

  6. O que geralmente causa suas crises?

  7. Você pensa muita coisa negativa?

Mantenha um relatório das experiências e dos sentimentos que você tem com relação à sua ansiedade. Seus pensamentos estão contribuindo com a ansiedade nessas situações?


Mantenha um diário: Muitas vezes escrever o que aconteceu no dia, que te aborreceu, que te frustrou ou causou qualquer outra emoção desconfortável fará com que você tenha a sensação de "estar pondo para fora" se sentindo mais aliviada e consiga visualizar e organizar toda a situação conflitando de uma outra perspectiva.

Controle da respiração e prática da meditação: A ansiedade nos coloca na periferia de uma roda que ao girar continuamente, passa por eternos altos e baixos, instabilidades e inseguranças. Uma hora sentimos alegria, alívio e positivismo. Depois vêm momentos de angústia, sensações corporais desagradáveis e o pessimismo.


Para sairmos desses altos e baixos, tão desgastantes e improdutivos, a grande saída é o centramento. Ao nos centrarmos, através da respiração e da prática da meditação, passamos a nos auto conhecer, reconhecer nossas verdades internas, as reações do nosso organismo, obtemos controle sobre os eventos e então deixamos de estar na periferia da roda.


Treinando o cérebro: Consiga um elástico, daqueles que eles amarram dinheiro em banco. Coloque esse elástico no seu braço, ele vai servir para treinar sua mente, vamos treinar o cérebro e ensinar a ele que sempre vamos ter que pensar positivo, isso pode ser muito útil também para tratar vícios. Com o elástico no braço, faça as tarefas do seu dia normalmente, mas sempre que pensar algo negativo, sentir medo, ou algo de te faça mal, pegue o elástico, estique um pouco e solte no seu braço, " isso mesmo" para doer um pouco, feito isso pense o seguinte "eu não posso ter pensamentos negativos porque sou uma pessoa feliz. Comece a pensar algo que te faça bem, algo que você se sinta feliz. E repita a técnica sempre que pensar algo negativo. Com o tempo você vai perceber que o uso do elástico vai ser cada vez mais raro, sinal que o seu cérebro está aprendendo a pensar coisas positivas.

Pensar coisas positivas, ter objetivos e sentir-se útil, é o que mantém o ser humano feliz e motivado.


Respiração diafragmática: A respiração tem um papel importantíssimo no processo fisiológico da ansiedade, uma vez que a hiperventilação (respiração rápida, curta e superficial, estilo "cachorrinho") tem o poder de intensificar os sintomas ansiosos. Sendo assim, a solução é fazer inverso: respirar profundamente, devagar e, de preferência, pelo diafragma. Experimente enviar o ar inspirado para a região baixa do abdômen, abaixo das costelas. Para auxiliar, você pode imaginar que possui um pequeno balão nesta região, e intencionalmente enviar o ar para preenchê-lo. Colocas a mão sobre a região ajuda também, pois torna possível visualizar o movimento abdominal e assim apontar a respiração correta. Inspire pelo nariz e expire pela boca. Faça séries de 10 respirações, em tempos iguais (por exemplo, 3 segundos para inspirar e outros 3 para expirar).


Técnica de relaxamento muscular: Existem diversos tipos de técnicas de relaxamento, todas com o objetivo de obter, basicamente, um estado fisiológico agradável e de tensões reduzidas. Embora grande parte deles trabalhem tendo em vista uma sensação de tranquilidade e bem-estar, existem pequenas diferenças técnicas que focam em um ou outro aspectos mais específicos. O Relaxamento Muscular Progressivo de Jacobson é uma técnica que foca em, principalmente, um aumento da percepção corporal e consequente aumento do controle muscular. Essa percepção corporal mais acurada é especialmente importante para os que sofrem de ansiedade pois permite que indivíduo perceba os primeiros sinais de tensão e ansiedade, podendo agir muito mais rapidamente e de maneira bastante eficiente no combate à mesma. Como o próprio nome diz, trata-se de uma técnica de relaxamento progressivo, ou seja, gradativo, por meio da tensão e relaxamento dos grupos musculares. Nos indivíduos ansiosos, é comum que haja muita contração dos músculos do corpo sem real percepção de que isso esteja ocorrendo. Portanto, é importante identificar quais são estes estados musculares (a tensão e o relaxamento) através da indução dos mesmos. Assim, o indivíduo vai, primeiramente, tensionando os músculos, para em seguida, relaxá-los. Você pode experimentar fazer isso "de baixo para cima", ou seja, dos pés até o topo da cabeça. Deitado ou sentado, de olhos fechados, vá visualizando cada parte de seu corpo separadamente, e foque sua atenção a cada grupo de músculos individualmente. Por exemplo, a focar sua panturrilha, procure sentir a tensão na mesma – com a perna estendida, contraia a musculatura puxando a ponta do pé para cima e esticando a linha do calcanhar. Permaneça 5 segundos nesta posição, sentindo a tensão do músculo e atentando a cada parte do corpo envolvida. Perceba como este músculo se relaciona com as coxas, com os joelhos, com os dedos dos pés. Em seguida, solte abruptamente a musculatura e perceba a sensação de relaxamento. Repita o processo com cada grupo muscular, de ambos os lados, sempre tensionando primeiro e depois soltando abruptamente. Ao passar de um grupo muscular para outro, certifique-se de que o grupo muscular trabalhado está inteiramente relaxado. Pratique uma respiração calma e profunda durante todo o processo. Este exercício pode ser feito à sua maneira – ouvindo música, ao ar livre, quando você está tenso ou mesmo quando não há nenhuma ansiedade ou estresse presente. Praticar o relaxamento e aumentar a consciência corporal não apenas é uma técnica útil para enfrentar a ansiedade, como também uma maneira eficiente de ganhar qualidade de vida.


Nunca deixe de fazer o que tem que fazer: As pessoas as vezes têm o pensamento de querer deixar as coisas para amanhã para poder se dedicar mais ou melhor na atividade, não faça isso, sempre resolva todas as suas pendências e nunca deixe-as acumular, fazendo as suas tarefas regularmente vai te deixar com a sensação do dever cumprido, mas se você adiar, deixando-as acumular, vai encher seu pensamento de tarefas acumuladas, isso vai gerar a ansiedade.


Faça uma lista dos seus afazeres ou seus pensamentos:

Esse método aumenta a concentração, evita distrações e avisa o cérebro que é preciso desacelerar. Quando fazemos isso, a mente entende que as preocupações estão 'guardadas' e não devem ser resolvidas naquele momento, diminuindo a ansiedade.


Anotar as preocupações em um caderno também ajuda a acabar com insônia. Colocar as tarefas que não conseguiu realizar no dia no papel vai ajudar a "se livrar" daquilo até o dia seguinte.



Soletrar:Falar mentalmente as letras do nome de alguma pessoa, (geralmente membros da família) de trás para frente, por exemplo, meu nome Priscila Ramalho: o,h,l,a,m,a,r - a,l,i,c,s,i,r,p.

A intenção é que seja capaz de ocupar toda a sua atenção tirando o foco do que está causando ansiedade.



 

Fontes: 10 passos para controlar a ansiedade - Joeverton Rodrigo; técnicas de controles de ansiedade - Ana Paula Varella; Intervenção cognitivo-comportamental em transtorno de ansiedade: relato de caso